top of page

Conexão Cata reúne Paiol de Tonha, Chama o Síndico, BNegão e Russo Passapusso

Belo Horizonte vive, na atualidade, um dos melhores momentos em termos culturais. A cada dia surgem mais espaços que são verdadeiras vitrines para a cena local em formatos inéditos. Exemplo disso aconteceu no último sábado, 8 de abril, em que, mesmo em feriado prolongado de semana santa, um excelente público esgotou os ingressos para conferir as apresentações de Paiol de Tonha e o bloco Chama o Síndico que contou com participação de BNegão e Russo Passapusso.


Fotos: Alexandre Biciati

O evento intitulado "Conexão Cata", foi produzido pelo Quintal da Jabu e utilizou as dependências do Catavento Cultural para uma grande celebração da música. Localizado no bairro Ipiranga (BH), o Catavento oferece uma estrutura diferenciada por se tratar de uma inusitada e convidativa tenda de circo. Outro ponto a favor do estabelecimento é ter um bom espaço que comporta centenas de pessoas que podem circular livremente, sem grandes filas ou atropelos. Nos intervalos, coube ao DJ Narciso manter a pista "quente" e o clima festivo.



A atração de abertura foi a banda Paiol de Tonha. Formado por Marcelo Caçapa (voz e guitarra), Daniel Filho (guitarra), Christopher Martinez (baixo), Ébano Brandão (bateria), Lisa Lima (percussão) e Rafael Leite (percussão), o grupo tem a proposta artística de revisitar os ritmos do norte do país, estabelecendo uma ponte com sonoridades latinas, misturando carimbó, semba, cumbia e ritmos adjacentes. No longo set, canções populares de artistas como Gilberto Gil ("Andar com Fé"), Caetano Veloso ("Reconvexo"), Felipe Cordeiro ("Legal e Ilegal) e Manu Chao ("Clandestino") foram executadas com energia e personalidade em arranjos autorais. Houve espaço também para canções próprias como "Tereza" e "Que Que Tem (Tá que Tá)" que foram muito bem recebidas pelo público que cantou, dançou e pediu bis.



Na sequência, foi a vez do bloco carnavalesco Chama o Síndico. Tal qual uma big band, o grupo ganhou notoriedade no carnaval da capital ao tocar, de forma pessoal e percussiva, o repertório de Jorge Ben Jor e Tim Maia. Comandado pelas vozes de Zé Mauro e Mateus Rocha, o Chama o Síndico relembrou os sucessos dos mestres da MPB, mas também prestigiou pérolas dos convidados da noite. Chamou atenção, durante todo o show, o afinadíssimo e groovado trio de metais que protagonizou solos extasiantes.




O primeiro a subir ao palco foi o carioca BNegão. O vocalista do Planet Hemp, de início, entrou no jogo e fez coro e voz para faixas como "Descobridor dos Setes Mares", "Que Beleza", "Terapêutica do Grito", "Você" e "Primavera" , do repertório de Tim Maia e "Umabarauma" e "Zumbi", de Jorge Ben Jor. Do repertório do BNegão vieram faixas de sua fase junto ao Seletores de Frequência como "A Verdadeira Dança do Patinho" e "(Funk) Até o Caroço", ambas do clássico disco Enxugando Gelo, e "Essa é Pra Tocar no Baile" (do álbum Sintoniza Lá). A percussionista e cantora Naroca, conhecida por também integrar o bloco feminista Sagrada Profana, teve sua vez ao microfone levantando voz em nome dos direitos das mulheres e teve imediato apoio de todos os presentes.




Russo Passapusso foi convidado a se juntar à Bnegão no palco e, feito um rolo compressor, cantou de forma avassaladora as canções emblemáticas do BaianaSystem. Executadas em formato de medleys, a sequência "Lucro / Sulamericano / Água", colocaram, literalmente, a casa abaixo. Outra sequência matadora foi a junção de "Coroné Antônio Bento" (Tim Maia), "Rios, Pontes e Overdrives" (Nação Zumbi) e "Dia da caça" (BaianaSystem) que foram cantadas em uníssono pelos presentes. No final, os hinos de Jorge Ben "Filho Maravilha" e "Taj Mahal" (Ben de 1979) encerram a apresentação em alta, colocando ponto final numa noite em a música latina foi celebrada em suas mais variadas vertentes.




Ao lado do bloco Chama o Síndico, Bnegão e Russo transmitiram diversão e, por vezes, mencionaram que este seria um primeiro encontro de muitos. O resultado dessa noite tecnicamente impecável, que contou também com performance circense nos intervalos, pode ser traduzida pela imagem do público suado de tanto dançar, esbanjando sorrisos na saída.






149 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page