top of page

Gabriel Thomaz lança Multi-Homem na sua segunda casa: A Obra

A relação de Gabriel Thomaz com a casa A Obra é longa e bastante íntima. Seja com sua banda, o Autoramas, ou em qualquer trabalho solo que ele tenha ou venha a criar, a sensação de estar em casa em um dos locais mais icônicos do underground brasileiro é evidente. Tanto é que Gabriel normalmente faz um pacote show + discotecagem quando está de passagem pela cidade, prolongando ao máximo sua estadia no local.


Fotos: Alexandre Biciati

Por isso mesmo, não havia lugar melhor para ele lançar seu disco Multi-Homem na capital mineira. Acompanhado apenas do baterista Fernando Fonseca, Gabriel fez o que sabe fazer de melhor: rrrrrrock. Mas não somente isso. Em Multi-Homem, existem outros elementos no som que ampliam o espectro de seu trabalho: o frevo, os sons paraenses e a estética carnavalesca se fazem presentes numa simbiose que só os bons conseguem fazer e que casa perfeitamente com sua veia rock.



O destaque de Multi-Homem e deste show é, sem dúvidas, o divertido hit “Peru Pará”, que mostra a capacidade ímpar de Gabriel Thomaz em conseguir criar hits improváveis a partir de temas aparentemente impossíveis. Não custa lembrar que este é o homem que um dia compôs “1, 2, 3, 4”. O desafio é ouvir “Peru Pará” duas vezes (número de vezes que ele tocou a canção no show) e não sair cantando. A isso se dá o nome de hit.



Mas o show não parou por aí. Gabriel misturou boas canções do disco, como “Carambola” (que na versão em estúdio tem a participação especial da cantora Márcia Freire) com hits do Autoramas (“Carinha Triste” e “Fale Mal de Mim” - esta atendendo a um pedido especial do público), do Little Quail and the Mad Birds (“Aquela”) e algumas covers mais do que especiais, como “Minha Fama de Mau”, do grande Erasmo Carlos e “Ela Sabe o Que Faz”, de Júpiter Maçã.



Num mundo ideal, Gabriel Thomaz e os hits de todas as suas bandas e projetos, estariam sendo executados para multidões. Como não estamos em um mundo ideal, sua música acaba restrita para alguns poucos como os que compareceram n’A Obra. Para os outros muitos que não foram, só posso lançar o desafio: ouvir “Peru Pará”, ”Carinha Triste”, “1234” e tantos outros hits feitos por ele e não sair cantando.




117 visualizações1 comentário

1 comentario


Claudao Pilha
Claudao Pilha
25 abr 2023

Sensacional!

Me gusta
bottom of page