top of page

Rota do Blues promove show com diva de Chicago Laretha Weathersby

O Blues em Beagá


Historicamente o Blues é um dos gêneros fundamentais para se compreender a música produzida de ontem e de hoje. Criado nos Estados Unidos no final do século XIX, na época da escravidão, o gênero se desenvolveu a partir das conexões com a música africana. De lá para cá, o Blues se tornou popular e basilar para outros estilos musicais como o jazz, o rhythm and blues, o rock, o country, entre tantos outros.


Fotos: Alexandre Biciati

No Brasil artistas como Celso Blues Boy, Blues Etílicos, o luso-brasileiro Nuno Mindelis e André Chirstóvam ajudaram a pavimentar o caminho para que o gênero alcançasse popularidade no país. E para manter viva a chama blueseira foi criada em Minas Gerais uma das iniciativas mais relevantes da atualidade: o Rota do Blues

Fundado em 2014 pelo guitarrista e produtor Bruno Marques, o Rota do Blues é um evento itinerante cuja nobre missão é realizar shows de blues Brasil à fora, promovendo o intercâmbio entre artistas estrangeiros com artistas da cena brasileira. Com o passar dos anos o Rota cresceu e hoje tem realizado eventos em casas de shows e festivais, além de promover seu próprio festival.


Rota do Blues na Autêntica


Transitando entre a tradição e a modernidade, o Rota do Blues já trouxe ao país um time amplo de artistas, das mais diversas nacionalidades. No final de junho, A Autêntica foi o palco da vez e reuniu, numa mesma noite, os mineiros Little Butter e a cantora norte-americana Laretha Weathersby.



A abertura da noite coube ao Litte Butter. Formada por Eduardo Sanna (gaita e voz), João Alvarenga (baixo), Piero Grandi (guitarra) e Rafael Canielo (bateria) o quarteto vem, desde 2017, colocando o blues tradicional em evidência na capital mineira e em festivais realizados por todo país. Em 2019, o grupo lançou o disco "Little Butter's Boogie", trabalho autoral que conquistou o público e a crítica especializada.



Ao longo de quase uma hora de apresentação, a banda explorou o repertório presente no disco citado, cativando o bom público presente numa apresentação quente e performática.


Laretha Weathersby


Na sequência foi a vez da atração principal da noite: Laretha Weathersby. Eleita "Chicago Blues Diva of the Year" (2009/2010), a cantora atua como interprete e faz de sua voz marcante instrumento para resgatar clássicos do blues, rhythm and blues e do soul.


Como é de praxe em eventos da Rota do Blues, a banda de apoio que acompanha os artistas internacionais é convidada por Bruno Marques. Para a ocasião, o grupo da vez foi formado pelo próprio Bruno nas guitarras, Christian Weber na bateria, Al Pratt nos teclados, Rafael Eloi no baixo, Breno Mendonça no sax e Marco Lima no trompete.



Conhecida por sua presença de palco empolgante, a plateia dedicou atenção total quando Weathersby entrou no palco da Autêntica. Cada música era um convite para dançar e cantar junto com a carismática cantora que impressionou pelos movimentos e pela precisão com que cantou cada nota. Com disposição de mesas na parte posterior, a pista vazia junto ao palco era um convite óbvio para se aproximar da intérprete.


E Weathersby conseguiu criar uma conexão imediata com quem se aventurou a ocupar o espaço junto ao palco. A diva buscou se conectar com o público contando histórias pessoais, celebrou seu aniversário de forma atencipada e prestou homenagens a finada Tina Turner antes de executar uma versão matadora para "Proud Mary".




Canções como "Let Good Times Roll" (Koko Taylor), "Still Called the Blues (Johnnie Taylor), "Big Boss Man" (Omar Kent & Jimmy Vaughn), "Dr. Feelgood (Love is a Serious Business)" e "Rock Steady" (ambas de Aretha Franklin), "Someone Else is Steppin' In" (Z.Z. Hill) e "The Blues is Alright" (Little Milton) fizeram parte do set e ganharam versões carregadas de personalidade, marca característica de seu trabalho.


No bis "Wang Dang Doodle" (Koko Taylor) e "Teenie Weenie Bit" (Lurrie Bell) encerram a apresentação de forma calorosa e memorável.



Nos bastidores Laretha era só sorrisos. Sobre a sua segunda passagem pelo Brasil, a cantora disse ao Phono que essa foi uma de suas maiores turnês. "Cheguei a fazer uma turnê na França em 2017 que durou um mês e tinha mais de 20 datas. Essa foram 21, passando por diversas cidades e países como a Argentina".


Para o segundo semestre a Rota do Blues segue com a agenda cheia. Estão programadas novas turnês de artistas internacionais como D.K. Harrel, Lorenzo Thompson e James "Boogaloo" Bolden, integrante e líder da banda de apoio de B.B. King por 40 anos.












23 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page